• Maqnelson John Deere

Zoneamento de risco climático evita perdas na produção agrícola brasileira


Imagem: Mapa - gov.br - sanddebeautheil

Saber qual é a melhor data de plantio, de acordo com as condições climáticas de cada região, é fundamental para evitar perdas de safra provocadas por eventos meteorológicos adversos, como seca, geada ou excesso de chuvas. Para ajudar o produtor rural nessa programação, o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) faz um mapeamento das áreas produtivas de dezenas de culturas para cada município do país.


Em 2021, a adoção do Zarc proporcionou uma economia superior a R$ 8,7 bilhões à produção agrícola brasileira, de acordo com o Balanço Social da Embrapa. O valor equivale principalmente a prejuízos que o país deixou de sofrer com perdas de safras e às consequentes indenizações securitárias que elas provocariam.


Os estudos do Zarc envolvem clima, solo e grupos de cultivares, a partir de metodologias técnico-científicas desenvolvidas pela Embrapa e adotadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) como instrumento de política agrícola.


“Essas informações servem para orientar o planejamento da produção a evitar locais e épocas de plantio que resultem em risco excessivo, ou seja, com alta probabilidade de perda”, explica o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa, Pedro Loyola.

No Brasil, os principais riscos climáticos que limitam a produtividade das culturas agrícolas e causam perdas são, principalmente, o déficit hídrico quando ocorre nas fases mais críticas da cultura, o excesso de chuvas, temperaturas elevadas, a geada e a chuva na época da colheita.


O seguro rural é essencial para mitigar os efeitos do clima durante a safra. Em 2021, o total pago em indenizações pelas seguradoras aos produtores foi de R$ 5,4 bilhões.


Seguir as datas de plantio do Zarc é uma obrigação dos produtores que contrataram apólices de seguro rural. O zoneamento é utilizado para enquadramento dos produtores rurais no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). Além disso, alguns agentes financeiros privados condicionam a concessão do crédito rural ao uso do zoneamento agrícola de risco climático, justamente para reduzir os riscos da operação.


Ao ser adotado pelo Proagro a partir de 1996, as áreas com Zarc apresentaram índices de perda quatro vezes menor que as que não seguiam as indicações do Zarc, de acordo com o Relatório Circunstanciado do Proagro 1991 a 1998, publicado pelo Banco Central.


Nos últimos três anos, o Zarc foi aprimorado com novos estudos, novas metodologias e reuniões de validação com o setor produtivo para melhorar a transparência da metodologia das pesquisas.


Modernização:

Lançado em 2019, o aplicativo móvel Zarc Plantio Certo disponibiliza informações sobre variáveis importantes no momento de planejar a produção, em especial com relação ao risco climático. Antes do lançamento, as informações do zoneamento eram divulgadas somente por meio de tabelas publicadas em portarias do Diário Oficial da União ou no site do Mapa.


O usuário seleciona o município, tipo de solo, cultura e ciclo da planta de interesse e, a partir daí, o sistema apresenta a época do ano mais indicada para a semeadura, com base em diferentes taxas de riscos (20%, 30% e 40%) de perdas por eventos meteorológicos adversos, que corresponde aos estudos de zoneamento agrícola. Também podem ser consultadas informações mais detalhadas sobre as condições meteorológicas para o desenvolvimento da cultura, como armazenamento de água do solo, precipitação, número de dias sem chuva, temperatura mínima e máxima.


O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Agricultura Digital (Campinas/SP), está disponível nas lojas de aplicativos: iOS e Android

Os resultados do Zarc também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma “Painel de Indicação de Riscos”.




Por: Idaliana Freitas


Com as informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).


14 visualizações0 comentário