• Maqnelson John Deere

Mulheres no campo. A força do agro brasileiro

Atualizado: Nov 18



O agronegócio brasileiro vem desempenhando um papel importante no crescimento e desenvolvimento do país. A sua representatividade ultrapassa fronteiras e se torna o polo da alimentação no mundo, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a segurança alimentar mundial depende da produção brasileira para abastecer toda a população mundial, o que comprova que o agro do Brasil tem assumido o protagonismo no mercado internacional.


Com toda essa perspectiva, um dos motivos que tem alavancado a expansão é o aumento da produtividade graças ao uso da tecnologia associada a uma gestão mais diversificada, com a participação da mulher nas atividades do campo. A representatividade feminina no campo está cada vez mais forte, pois a mulher, tecnologia e agronegócio formam uma equação equivalente que tem resultado em maior produtividade, eficiência e lucratividade.


A Força no Campo:

As mulheres do campo não são mais somente filhas, esposas ou herdeiras de proprietários de terra, elas têm sobressaído e ocupado um lugar de destaque em diversos processos produtivos, na geração de renda nas propriedades rurais, exercendo múltiplos papéis como: produtoras, engenheiras agrônomas, administradoras, pesquisadoras cientificas e até operadoras. A associação do trabalho do campo com a força, principalmente em comparação ao trabalho masculino não tem impedido os avanços e as conquistas, o engajamento feminino é um diferencial nas atividades e a tecnologia tem contribuído muito para esse trabalho.


Essas mulheres têm sido muito guerreiras e corajosas, além de cuidar da casa, dos filhos e cuidar inteiramente de uma família, ainda estão dispostas a novos desafios e estratégias para alcançar os seus ideais. É à força da mulher no campo para o agro cada vez mais participativo!


As estatísticas apontam o crescimento dessa participação, conforme último Censo Agro, divulgado pelo IBGE:


• Cerca 20% dos empreendimentos rurais do país são dirigidos por mulheres;

• A agricultura é a área na qual as mulheres têm maior presença, com 42% de participação;

• O número de mulheres em posição de liderança no campo, de acordo com o IBGE, cresce a cada dia;

• Entre 2006 e 2017, o número de mulheres que lideram propriedades rurais no País cresceu de 12,68% para 18,64%;

• Hoje as mulheres ocupam cerca de 30% dos cargos de comando no campo.


E onde se concentra esses números crescentes?

• Em minifúndios > 49,5%;

• Pequenas propriedades > 26,1%;

• Médias propriedades > 13,5%;

• Grandes propriedades > 10,9%;


Áreas de atuação dessa participação no setor:

• Atuam dentro da fazenda > 73%;

• Trabalham em cooperativas > 3,7%;

• Insumos agrícolas > 3,4%;

• Atividades da indústria > 9,3%.


Traduzindo em valores, as mulheres do agro movimentam cerca de US$ 165 bilhões, ou seja, 8% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, uma vez que o agronegócio representa 25% do PIB total.





Por: Idaliana Freitas

Com informações da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e Centro de Pesquisas Econômicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ) ( CEPEA)

9 visualizações0 comentário